Psicodiagnóstico

Avaliação realizada a partir de técnicas e testes psicológicos, com o fim de conhecer o funcionamento psíquico do paciente, auxiliar em diagnóstico diferencial e sugerir a intervenção terapêutica adequada.

Trabalhamos com crianças, adolescentes e adultos.

Profissional responsável: Dra. Daniela Adachi Guimarães

Psicóloga Clínica, membro da equipe DAG desde 2001, educadora desde 1992, formada em Direito (OAB 154322) e em Psicologia (CRP 06/105448) pela Universidade de São Paulo - USP, coordenadora do grupo Encontros, vinculado ao Laboratório de Saúde Mental do Instituto de Psicologia da USP e especializando em Psicossomática Psicanalítica pelo Instituto Sedes Sapientiae.


Nosso trabalho de tutoria pedagógica inclui o atendimento, por profissionais especializados parceiros do DAG, de alunos com diversos diagnósticos, tais como dislexia, TDA, TDAH, discalculia, síndrome do processamento auditivo, transtornos de ansiedade, entre outros.

Nosso objetivo é construir com os alunos conhecimentos e habilidades sólidas, desenvolvendo ritmo de estudo e técnicas de trabalho que lhes permitam prosseguir com autonomia.

Nossa parceira neuropsicóloga Ana Maria Maia Calazans de Toledo Piza** nos conta um pouco sobre alguns diagnósticos e o que pais e educadores podem fazer caso percebam sintomas em suas crianças.

Dislexia

A Dislexia é considerada um transtorno de aprendizagem de origem neurobiológica. É caracterizada pela dificuldade no reconhecimento preciso e/ou fluente da palavra, e precária habilidade em soletrar e decodificar. Essas dificuldades normalmente resultam em um déficit no componente fonoaudiólogo da linguagem e são inesperadas em relação à idade e outras habilidades cognitivas. É necessária uma avaliação neuropsicológica, acompanhamento de um neurologista infantil e tratamento com fonoaudióloga especialista na área.

Discalculia

A Discalculia é caracterizada por problemas no processamento de informações numéricas, aprendizagens de fatos numéricos e realização de cálculos precisos e fluentes. Crianças com discalculia apresentam um perfil heterogêneo de prejuízos em habilidades matemáticas, sendo observadas dificuldades na leitura de números ou ainda em procedimentos matemáticos, apesar da compreensão dos conceitos e fatos aritméticos. É caracterizado por um desempenho em aritmética muito abaixo do esperado para a idade em crianças com inteligência normal que não possa ser justificado por déficits sensoriais. A discalculia traz prejuízos acadêmicos e emocionais. O tratamento envolve uma avaliação neuropsicológica com ênfase no processamento de informações numéricas assim como um trabalho de acompanhamento pedagógico e psicológico.

Transtorno Geral de ansiedade

Certos pacientes sofrem de ansiedade difusa que se caracteriza por um estado de preocupação crônica, com expectativas negativas exageradas e incontroláveis. Essas sensações e sentimentos costumam virem acompanhados de outros sintomas como agitação, tonturas, zumbidos, tremores, suor, palpitação, fadiga, tensão muscular e dificuldades para dormir e se concentrar. Às vezes, a ansiedade se manifesta por irritação e esses indivíduos se descrevem “como nervos a flor da pele”, vivendo em tensão permanente, hipervigilantes e assustados. Por vezes, os sintomas somáticos dominam o quadro. Devem-se considerar condições clínicas como o hipertireoidismo e psiquiátricas. O TGA traz prejuízos sociais, profissionais e afetivos. O tratamento envolve profissionais da área da saúde como médicos, psicólogos e terapeutas ocupacionais.

TDAH Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade

É um transtorno multifatorial, com total interação entre fatores genéticos, ambientais e neuroquímicos, determinando o conjunto de características que identificam uma pessoa. A criança com TDAH apresenta dificuldade em: inibir comportamentos inadequados, completar tarefa, processar informações, estabelecer e seguir estratégias eficientes e agitação motora. O tratamento do TDAH envolve abordagens múltiplas; intervenções psicoeducacionais, psicoterapêuticas e medicamentosas.

TDA Transtorno de Déficit de Atenção

Os sintomas deste déficit são: desatenção a detalhes, erros por omissão ou descuido. Indivíduos portadores apresentam dificuldade para manter a atenção em tarefas ou atividades lúdicas e laborais; eles parecem não ouvir quando lhe dirigem a palavra. Observa-se ainda, impedimento de seguir instrução, organizar tarefas e atividades; perdem coisas necessárias para as tarefas e atividades; distraem-se facilmente por estímulos que não tem nada a ver com o que estão fazendo. Obs: é necessária uma avaliação neuropsicológica com profissional especializado com intervenção junto à criança, escola e família.

Síndrome do processamento auditivo

Caracteriza-se por uma alteração do processamento auditivo central e observa as seguintes dificuldades; aprendizagem, dispersão, compreensão em ambientes ruidosos, compreensão do que se lê linguagem escrita (trocas, omissões e inversões), escrita em espelho.

Refere-se a uma série de operações que o sistema auditivo realiza para receber, detectar, reconhecer, associar e integrar estímulos acústicos para planejar e emitir respostas.

Deve-se fazer uma avaliação PAC para diagnosticar como o cérebro está interpretando a mensagem recebida.

São indivíduos que em testes audiométricos apresentam a audição dentro da faixa da normalidade.

Após os resultados clínicos é imprescindível um plano de trabalho individualizado de um fonoaudiólogo especialista no transtorno de processamento auditivo. Caso observem-se dificuldades emocionais, a criança deve ser acompanhada por um psicólogo especialista nessa área.

O que é uma avaliação Neuropsicológica?

A avaliação neuropsicológica é uma avaliação das funções cognitivas, emocionais e comportamentais através de testes e procedimentos padronizados.

A avaliação pode servir para auxiliar a escola e/ou o médico no diagnóstico de transtornos neuropsiquiátricos; planejar o tratamento de reabilitação de pessoas com transtorno de aprendizagem ou vítimas de lesão cerebral.

As principais funções cognitivas avaliadas são a orientação, atenção, memória e aprendizagem, linguagem e funções verbais, habilidades acadêmicas, organização e planejamento, percepção, função motora, humor, comportamento e personalidade.

A duração da avaliação pode variar de acordo com as características de cada pessoa, no entanto normalmente são necessárias de oito a dez sessões. Após a finalização haverá uma entrevista final para a entrega do laudo e discussão dos seus resultados.

O que é o PEI?

O PEI é um programa de Enriquecimento Instrumental de intervenção cognitiva focada no desenvolvimento de uma aprendizagem significativa, tornando os indivíduos mais bem sucedidos em suas atividades acadêmicas.

Os materiais do PEI estão organizados em exercícios em folha de papel, divididos em instrumentos sequenciais, sendo que cada um deles tem uma função cognitiva especifica.

O PEI foi desenvolvido pelo Dr. Reuven Feuerstein e é utilizado em mais de 50 países e estão traduzidos em mais de 12 línguas.

O foco do PEI não são as respostas que os alunos fornecem a cada exercício, mas sim o processo de construção dessas respostas.

O ponto de partida do PEI são as vivencias pessoais de aprendizagem, tornando o processo individualizado.

O Programa PEI é administrado por um mediador especializado e que pode ser aplicado individualmente ou em grupo.

**Ana Maria Maia Calazans de Toledo Piza é psicóloga clínica em São Paulo, neuropsicóloga e psicanalista membro da Sociedade Brasileira de Psicanálise. Para informações adicionais, contato através de dag@dagestudos.com.br.